“Ela partiu!”

Granamour Weems Collection/Alamy By Rolling Stone

Granamour Weems Collection/Alamy

Assim como em “Sossego”, temos motivos de sobra pra crer que “Ela partiu” teve (um pouco mais do que) inspiração de outra música. Trata-se de “Right on for the Darkness” de Curtis Mayfield [Esse foi um alerta do nosso leitor Lucas de Souza Freitas]. Compare:

“Right on for the Darkness”
Curtis Mayfield
LP:  “Right on for the Darkness” (1973)

“Ela partiu!”
Tim Maia
Compacto: 1976

Temos algumas evidências para acreditar que Tim realmente se “inspirou” (para dizer o mínimo) em Curtis. Além das músicas serem muito parecidas, Tim Maia era fã do músico americano. Tanto é que até mandou o livro “Universo em Desencanto” e o LP “Racional Vol. 1” pra ele quando entrou no mundo Racional.

Mandou o livro também para o James Brown e John Lennon:

“Em português mesmo. O Racional Superior se encarregará de fazer com que eles entendam”. Nem sempre. Tim (…) recebeu como resposta uma foto do ex-Beatle inteiramente nu, com um bilhete: “Dear freak, I don’t understand Portuguese. What about LISTEN to this photo? John Lennon.”
(livro “Vale Tudo” de Nelson Motta)

Voltando do enorme parênteses (merecido), outra evidência são as datas de lançamentos. Curtis lançou “Right on for the Darkness” em 1973, no disco “Back To The World”. Tim gravou “Ela partiu” em 1976, três anos depois. Mesmo naquela época, dava tempo de chegar o lançamento por essas bandas.

Algumas hipóteses:
1. Ainda nos EUA, Tim Maia viu Curtis tocando essa música antes de gravá-la e levou na memória (ou o contrário, vai saber);
2. Tim e Curtis tiveram a mesma inspiração, pois absorveram da mesma efervescente cena que estava sendo criada nos EUA;
3. Curtis não entendeu o livro, mas curtiu o LP e não respondeu como John Lennon: Mandou de volta seu mais recente lançamento em troca.

Enfim… o importante é que Tim gravou “Ela partiu” e ela é uma das suas melhores músicas. Foi lançada em um compacto pela Seroma (selo do Tim) em 1976, logo após a fase Racional. O compacto ainda tinha outra pérola inédita: “Meus inimigos”.

1977- Compacto Tim Maia e Markus RibasNo ano seguinte, ambas as músicas figuraram no obscuro e raro compacto “Tim Maia e Marku Ribas” pelo selo Underground da gravadora Copacabana. Como o nome já entrega, esse EP é dividido com Marku Ribas que conta com as músicas: “Meu Samba Reguê” e “Kac”.

Não sabemos se foi antes ou depois, mas em 1977 a mesma gravadora também lançou “Tim Maia e Convidados” com essas duas do Tim, “Meu Samba Reguê” do Marku, mais Belchior, Bebeto, Eduardo Araújo e Sivinha, Alceu Valença e Geraldo Azevedo, Luis Vagner, Lee Jackson, Wilson das Neves, O Terço e Orlandivo.

Muitos achavam que “Ela partiu” e “Meus inimigos” eram do disco “Racional Vol. 1” (chegaram a reclamar do CD de re-lançamento da Trama que não vinha com ambas). Isso porque as duas circularam como faixa-bônus nas fitas k7 da época e nos downloads desse disco atualmente.

Até a Coleção Abril cometeu essa gafe, citando-as no encarte e depois lançando uma errata eliminando as citações. Além das duas letras serem totalmente “estranhas no ninho” Racional, vocês podem ver que elas não aparecem por aqui.

Se divirtam agora com a sampleada feita pelo Racionais Mc’s, servindo como base para a clássica “Homem na estrada”, ao vivo no Rio de Janeiro. Racionais que também sampleou inúmeras músicas do Curtis Mayfield e tem o nome do grupo em homenagem à fase esotérica de Tim.

Sample:

“Homem na Estrada”
Racionais MC’s
Álbum: “Raio X do Brasil” (1993)

 

 

Letra:
Ela partiu
Partiu e nunca mais voltou
Ela sumiu, sumiu e nunca mais voltou
Se souberem onde ela está
Digam-me e vou lá buscá-la
Pelo menos telefone em seu nome
Me dê uma dica, uma pista, insista
Ei! e nunca mais voltou
Ela sumiu, sumiu e nunca mais voltou
Ela partiu, partiu
E nunca mais voltou
Se eu soubesse onde ela foi iria atrás
Mas não sei mais nem direção
Várias noites que eu não durmo
Um segundo
Estou cansado
Magoado exausto
E nunca mais voltou

Anúncios