Arquivo da categoria: 1962 – Demo The Ideals

“New Love”

The Ideals gravando. Da esquerda para direita: Roger Bruno, Felix De Masi, Tim Maia, Paul Mitranga e Bill Adair

The Ideals gravando. Da esquerda para direita: Roger Bruno, Felix De Masi, Tim Maia, Paul Mitranga e Bill Adair

Após a descoberta das músicas da fase racional que não entraram nos 2 discos e no compacto racional (seu vazamento na net e, finalmente, o lançamento do “Racional Vol.3”), “New Love” virou o novo “Santo Graal” dos aficionados por soul no mundo todo.

A música “New Love” que conhecemos está no quarto disco de Tim, de 1973, e o mesmo fez questão de registrar seu co-autor na contra-capa: Roger Bruno.

Mas quem é esse Roger Bruno? E porque “New love” é tão cobiçada?

Bruno foi um dos membros do The Ideals, grupo que Tim Maia integrou em sua passagem pelos EUA na adolescência, começo dos anos 60. Acontece que, pouco antes de ser deportado, Tim gravou com The Ideals uma demo-tape. Até onde sabemos, em 1962 foram registradas duas músicas no estúdio Ray Cup Records, em Nova Iorque: “New Love” e “Go Ahead and Cry”.

Além de Tim e Roger, completava o quinteto de vocais Felix De Masi, Paul Mitranga e Bill Adair. Tim gravou as guitarras e violões. As letras também eram suas e as músicas foram compostas por Roger.

Dez ! Nota Dez ! Eu Sou Carlos ImperialSegundo o livro “Dez! Nota dez! Eu sou Carlos Imperial de Denilson Monteiro (o mesmo que fez a pesquisa do “Vale tudo”), essa gravação contou ainda com o baterista brasileiro Edison Machado do grupo Bossa Três. Já o artigo de Artur Ratton diz que quem gravou a batera foi o famoso músico brasileiro Milton Banana (e o experiente jazzista Don Payne assumiu o baixo).

Mas ambas as fontes contam a mesma história: Os músicos foram “aquisições” da lábia e malandragem de Tim Maia que descobriu onde estavam hospedados os brasileiros que foram a Nova Iorque para o grande show do Carnegie Hall, e os convenceu.

Foto desenterrada de David Drew Zingg do lendário show de 62 no Carnegie Hall: Tom Jobim (piano), João Gilberto (violão) e Milton Banana (bateria).

Foto desenterrada de David Drew Zingg do lendário show de 62 no Carnegie Hall: Tom Jobim (piano), João Gilberto (violão) e Milton Banana (bateria).

 

Quem primeiro foi atrás dessa história foi o jornalista americano Allen Thayer. No começo de 2006, escrevendo sobre o movimento Black Rio para revista especializada em funk/soul/jazz/hip hop, Wax Poetics (número 16), Thayer se deparou com uma entrevista em que Tim comentava sobre o The Ideals. Ele foi verificar se a banda realmente tinha existido e se de fato havia gravado algo.

Red Kelly, do blog Soul Detective, se incorporou à investigação em 2007, chamando atenção até mesmo de Carmelo Maia (filho e detentor dos direitos autorais da obra de Tim). Thayer finalmente achou Roger Bruno, vocal principal do The Ideals (que não está morto como diz a principal biografia de Tim Maia –“Vale Tudo”), foi até Tarrytown/NY entrevistá-lo e contou essa aventura no seu blog Soul Spectrum e na Wax Poetics #36 (edição especial sobre o Brasil, esgotada).

Roger Bruno conversa com Allen Thayer num café em Tarrytown

Roger Bruno conversa com Allen Thayer num café em Tarrytown

As gravações não só existiram, como o disco de acetato original estava na posse de uma ex-namorada de Bruno que prometerá ir atrás dele. Até então, Roger não tinha ideia do paradeiro de Tim Maia, muito menos que havia se transformado num astro da música brasileira. “A deportação foi a melhor coisa que aconteceu para Tim. Fiquei, é claro, feliz com o que ele conquistou, mas ainda estou um pouco chocado, existe um culto a ele pelo mundo e muita gente tem me procurado”, disse Roger.

Paul e Sheila Smith

Paul e Sheila Smith

Nos EUA, Tim era conhecido como “Jimmy, the Brazilian”. Por isso Roger não associou o nome a pessoa quando os amigos Paul e Sheila Smith, de Boston, lhes contaram que, nos meses que ficaram no Brasil, gravaram backing vocal para um cantor chamado Tim Maia. A participação do casal foi em “Réu Confesso” do mesmo álbum da regravação de “New Love”. O três nomes figuram na contra-capa do disco e nenhum dos três perceberam a estranha coincidência.

Por ocasião do aniversário de 70 anos de Tim Maia, no dia 28 de setembro de 2012 (comemorada no mundo todo), o jornal Gazeta do Povo publicou entrevista do jornalista brasileiro radicado nos EUA, Artur Ratton, com Roger Bruno.  Nesse artigo, finalmente temos todos os detalhes da passagem de Tim pelos Estados Unidos, a carreira com o The Ideals e a gravação da demo-tape. Só falta a música! Mas não deve tardar para que a escutemos. Por email, Allen disse que Roger Bruno já tem o disco de acetato original em mãos. Agora é esperar pra ver, ou melhor ouvir.

Letra:

Yes, I loved
More than I supposed
To love
And then
I finally realized
That she didn’t love me

Then I cried
Knowing that our love
Had died
Will I ever love again
Or will it hurt eternally?

It was then, when my life
Was sad and blue
That I found
My world in you
Now I wonder no longer
Of a chance
You’re the reason
Of living through romance

Ooh, looooove
Ooh, looooove
I’m so glad
That I found you

Download:
1973 – Álbum: “Tim Maia”.

Outra Versão:
Izzy Gordon

Anúncios